Notícias

Os nossos Santos

Dependendo do sítio onde se encontra, o Minho e todo o país abrem as portas a Santo António, São João e São Pedro. O mês é de animação: as ruas enchem-se de cor e alegria, ouvem-se martelos, no ar paira o cheiro a sardinha e caldo verde. As manifestações religiosas também imperam, cheias de vida e significado. Já adiantamos algumas das tradições que se vivem nesta época, mas quem foram, afinal, estes Santos? Por que os celebramos e homenageamos?

Santo António

O que conquistou pela palavra
13 junho

Santo António, meu amigo
Ensina-me lá como tu a falar.
É forma de não ter inimigo
Nesta arte de discursar!

Santo António será, provavelmente, o mais popular de todos os Santos. Filho de comerciantes ricos, nasceu em Lisboa, entre 1191 e 1195, numa casa em frente à Sé, onde hoje está a Igreja de Santo António. Foi batizado como Fernando Martins de Bulhões e com 15 anos pediu aos pais que o deixassem fazer o noviciado no Mosteiro de São Vicente de Fora.

Vista Alegre

 

Por volta dos vinte foi para Santa Cruz de Coimbra, onde terminou a formação intelectual e conheceu os primeiros frades Franciscanos. Foi quando cinco destes religiosos foram brutalmente assassinados que despertou a sua vocação franciscana: tinha cerca de trinta anos quando entrou para a Ordem dos Frades Menores, onde recebeu o nome de António.

Viajou até África, mas uma doença obrigou-o a regressar a Portugal. O navio em que viajava naufragou perto da Sicília: foi salvo pelos Franciscanos italianos, que o levaram até à cidade de Messina. Anos depois, conhece Francisco de Assis e torna-se o pregador oficial da Ordem de São Domingos, devido ao seu dom da palavra. Pregou em inúmeros sítios, arrastando multidões atrás de si. Veio a falecer a 13 de junho de 1231, a caminho de Pádua, em Arcella.

Foi canonizado pelo Papa Gregório IX, a 30 de maio de 1232, antes do primeiro aniversário da sua morte, e partilha o título de padroeiro de Portugal com a Imaculada Conceição. Conhecido como Santo casamenteiro, Sto. António é padroeiro dos barqueiros, dos náufragos e dos marinheiros. É também padroeiro dos viajantes, dos velhos, dos pobres e oprimidos, das solteiras, das grávidas e das estéreis, dos namorados e do casamento. É o protetor dos lares, da família, da pureza e é ainda advogado das almas do purgatório. É invocado sempre que um objeto é perdido ou para ajudar a encontrar pessoas desaparecidas ou emprego.

São João

O que trilhou caminhos
24 junho

Foste primeiro em tudo, São João,
Para o amor abriste caminho.
Foste alma e coração,
Temos por ti todo o carinho!

É no dia 24 de junho que a Igreja celebra o nascimento de São João Baptista, que terá nascido em Aim Karim, uma cidade a cerca de seis quilómetros de Jerusalém, no ano II antes de Cristo. Zacarias era um sacerdote judeu casado com Isabel. O casal não tinha filhos porque Isabel era infértil. Já com idade avançada, o anjo Gabriel apareceu a Zacarias e disse-lhe que em breve teria um filho, precursor do Messias e a quem daria o nome de João. Se Zacarias a princípio duvidou da novidade, em breve seria surpreendido com a barriga crescente de Isabel. Zacarias ficou mudo até ao dia da circuncisão do menino, altura em que os pais o batizaram como João, assim como havia vaticinado o anjo Gabriel.

Consolata

 

Trinta anos depois, João começou a batizar pessoas no Rio Jordão, incluindo o próprio Jesus: todos os Evangelhos iniciam a narração da vida pública de Jesus com a narração do seu batismo. Ao longo da sua vida, João foi testemunho da verdade, independentemente das consequências que esta lhe pudesse trazer. Denunciou o adultério de Herodes e Herodíades e por isso foi violentamente decapitado. 

Primeiro mártir da Igreja, é venerado como profeta, santo, mártir, precursor do Messias e arauto da verdade. A festa em honra de S. João, no dia do seu nascimento, começou por ser pagã, já que 24 de junho coincide com o solstício de verão. Celebrava–se a natureza, as colheitas e manifestava-se adoração ao deus do Sol. Posteriormente, a Igreja Católica cristianizou a festa. São João é padroeiro dos injustiçados por causa da fé.

São Pedro

O pescador de homens
29 junho

És rocha e maior pilar,
Tens as chaves da alegria,
São Pedro tens mesmo que me dar,
As tuas sementes de sabedoria!

São Pedro, também conhecido como São Pedro Apóstolo, terá sido o primeiro Bispo de Roma, o primeiro Papa da Igreja. Nasceu em Betsaida, Galileia, no ano I antes de Cristo. De acordo com a Bíblia, o seu nome original era Simão. Surge ainda uma variante do seu nome, Simão Pedro, no livro dos Atos dos Apóstolos e na II Epístola de Pedro.

Assim como o seu pai, Jonas, Pedro era pescador e vivia na Galileia. É quando Jesus usa um barco para ensinar uma multidão – assim como ensina Pedro e os seus irmãos, que de repente se vêem aflitos com tantos peixes nas redes – que o pescador se deixa arrebatar pela Sua sabedoria e larga tudo para servir o Mestre, que faria dele “pescador de homens”. E assim fez Pedro, professando a sua devoção a Jesus constantemente. 

Holy Art

 

Pedro era impetuoso, tal como se viu na traição a Jesus: prometeu-Lhe lealdade, mas não passou muito tempo até negar que O conhecia. Ainda assim, deu a vida pela Igreja depois de um pontificado de trinta e sete anos. Terá sido crucificado de cabeça para baixo – já que não se achava digno de morrer da mesma forma que Jesus – em Roma, entre 64 e 67 d. C, a 29 de junho. Os seus restos mortais encontram-se na Basílica de São Pedro, em Roma.

É padroeiro dos papas e dos pescadores. A tradição popular atribui a São Pedro o poder de comandar o estado do tempo, o que está relacionado com a interpretação de um relato bíblico atribuído a Jesus: “E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”. Esta frase levou as pessoas a relacionarem a abertura ou o encerramento das portas do céu com a caída da chuva.

Deixe um comentário