Negócios

VERCOOPE: Exelente representante dos Vinhos Verdes

A Vercoope – União das Adegas Cooperativas da Região dos Vinhos Verdes é, atualmente, um excelente representante dos vinhos verdes em todo o território nacional e em diversos mercados internacionais. Criada em 1964 com o objetivo de engarrafar, comercializar e distribuir o vinho produzido pelos viticultores, representa sete cooperativas vitivinícolas da Região dos Vinhos Verdes, nomeadamente Amarante, Braga, Famalicão, Felgueiras, Guimarães, Paredes e Vale de Cambra, que agrega no seu conjunto explorações vitícolas de cerca de 4000 viticultores. A Vercoope garante mais qualidade, dimensão e competitividade ao setor, produzindo anualmente 9 milhões de garrafas de vinho verde, sendo 30 por cento para exportação, onde trabalha com 35 países, com destaque para a Rússia, Brasil, EUA, Japão, Ucrânia e claro, toda a União Europeia. Defendendo uma política de qualidade e prestígio para os seus vinhos e espumantes e com Denominação de Origem Vinho Verde, a Vercoope ocupa por direito próprio um lugar de destaque no sector, sendo naturalmente considerada uma instituição de referência no panorama regional e nacional, e em franco crescimento em termos internacionais, tal como nos refere José Castro, Marketing e Export Manager. «A nossa missão passa por criar sinergias, economias de escala e controlo de qualidade, que nos permita estar no mercado de uma forma profissional, competitiva, através de vinhos de grande qualidade com preços justos para o consumidor, sustentáveis para o produtor e para a estrutura da Vercoope», realça, acrescentando que o trabalho desenvolvido oferece alguma escala, posicionamento e valorização aos produtores que não conseguem comercializar os seus vinhos de forma competitiva».

Um dos maiores players nacionais da região dos Vinhos Verdes

Atualmente, a Vercoope é um dos dois maiores “players” da região dos Vinhos Verdes e a sua quota de mercado no setor dos vinhos verdes, ronda os 10/15 por cento, dependendo do segmento de marcado. «Os nossos vinhos são muito consistentes. O equilíbrio mantém-se ao longo do tempo. Não há grandes oscilações das suas caraterísticas. Os parâmetros de análise, rigor e exigência são altos, e, desta forma, garantimos grande qualidade do produto que vem das adegas. Por todas estas razões, os nossos vinhos são muito bem aceites pelos consumidores.», esclarece. Comentado a fazer um balanço de 2021, José Castro refere que «tem sido muito positivo. «Vamos fechar o ano com uma faturação total próxima dos 13,5 milhões de euros resultantes do mercado nacional e a superar os 4 milhões de euros do mercado internacional. Todos os anos temos vindo a crescer. Comparativamente a 2020, vamos crescer cerca de 3% no mercado interno e 5% por cento no mercado externo. O ano passado (2020), inclusive, o crescimento já tinha sido superior em relação a 2019, cerca de 15% internacional) e 5 por cento (nacional). A nossa atividade destacou-se também noutras vertentes. O preço médio dos nossos vinhos subiu, alcançamos a comercialização de 9 milhões de garrafas/ano de Vinhos Verdes, e estamos no momento em 35 mercados externos, nos 5 continentes, em novos países como o Perú, a Coreia do Sul e na Bielorússia. Também consolidamos os nossos investimentos na sustentabilidade, com uma forte aposta na instalação fotovoltaica. Para além disso, investimos também em novas cubas, cimentamos a certificação IFS Food, uma certificação de elevadíssima exigência que nos abre as portas para vários mercados e clientes com e elevados níveis de exigência. Temos conquistado prémios importantes. A Vercoope foi premiada como a Adega do Ano em 2020 pela Vinho – Grandes Escolhas, e Distinguida como uma das 4 melhores empresas de vinhos em 2020 pela Revista de Vinhos. Temos vindo ainda a intensificar a nossa comunicação e divulgação no online e também em formatos impressos», explica.

Estratégia de crescimento para os próximos anos

Para 2022, diz, as previsões apontam para um «crescimento de 10% no mercado externo e 5% em termos nacionais». A estratégia para os próximos anos passa por «reforçar a qualidade de aquisição da uva, o acompanhamento técnico dos viticultores, apostar em mais formação, fortalecer as sinergias com os produtores, investir em novos equipamentos, mais tecnologia, nomeadamente uma rotuladora para obter melhor qualidade e eficiência e uma alimentadora da linha de engarrafamento, para aumentarmos os níveis de rapidez e eficácia». Para além disso, segundo José Castro, a Vercoope vai apostar na criação de novos perfis de vinhos, especialmente nos segmentos mais premium. Pretende dar continuidade à conquista de novos mercados internacionais e consolidar e intensificar as sinergias com todos os seus parceiros. Situada junto à EN105, em Agrela, Santo Tirso, a Vercoope apresenta um portfólio diversificado e surpreendente e as suas principais marcas são Via Latina, Terras de Felgueiras, Cooperativa de Felgueiras, Pavão e Urbe Augusta, ostentando uma enorme capacidade de armazenamento e de engarrafamento. Relativamente ao processo de engarrafamento, uma das linhas consegue 5 mil garrafas/hora; a outra, mais moderna e totalmente automatizada, de 8 a 10 mil, dependendo das especificidades do produto. Resumidamente, a Vercoope apresenta uma dinâmica muito interessante, assente na qualidade dos vinhos que tem sido devidamente reconhecida não só pelos consumidores, mas também pelas centenas de prémios que conquistou em diferentes competições de vinhos e através da imprensa especializada. O sucesso é também visível pelas vendas efetuadas, tanto no mercado nacional como internacional, assumindo-se como um verdadeiro caso de sucesso e um excelente representante dos vinhos verdes.

Deixar comentário